11 de março de 2021

 

92% dos portugueses querem mais espaços adaptados para outras formas de mobilidade 

 

• Os portugueses são dos que mais ambicionam a criação de espaços adaptados para outras formas de mobilidade (espaços pedonais, ciclovias, …), mesmo que isso implique a restrição do uso do automóvel

 

Sabemos que a posição do automóvel, principalmente na cidade, tem sido contestada – e 8 em 10 portugueses gostariam que a sua utilização reduzisse. No entanto, o objetivo não é fazê-lo desaparecer, mas sim repensar a sua utilização, abrindo caminho a outras formas de transporte, de preferência mais sustentáveis e sem emissões de carbono – uma coabitação urbana sustentável.

Nesta perspetiva, 82% dos inquiridos são a favor de haver mais espaços adequados para outras formas de mobilidade – a pé, bicicletas, trotinetas, etc. –, mesmo que isso implique penalizar ou restringir o uso do automóvel. Em Portugal, este número aumenta para 92% - é, a par da China, o segundo país inquirido com o valor mais alto, só superado pelo Brasil (96%). 

Este desejo de coabitação urbana entre todos os meios de transporte é partilhado por todos os 15 países inquiridos, mas é curiosa a divisão geográfica: de um lado temos os países emergentes e mediterrânicos, e também a China, como os maiores defensores deste conceito; por outro lado, a França, a Alemanha e a Bélgica, os três países onde a ecologia política é mais expressiva, parecem mostrar convicções mais fracas, talvez por se tratar de uma realidade que tem já maior expressão.

Sobre este tema da coabitação urbana, os resultados do Observador Cetelem Automóvel 2021 também demonstram duas posições diferentes, e opostas, em relação às medidas para restringir o tráfego e a poluição dos veículos motorizados, como portagens urbanas, proibição de circulação a determinados veículos, entre outros. Por um lado, estas medidas são consideradas úteis e indispensáveis para 75% dos inquiridos; por outro, são consideradas muito numerosas (54%) e restritivas (65%).

Metodologia

As análises económicas e de mercado, bem como as projeções, foram realizadas em parceria com a empresa de estudos e consultoria C-Ways, especializada em marketing de antecipação.
O trabalho de campo quantitativo foi conduzido pela Harris Interactive de 2 a 11 de setembro de 2020 em 15 países: África do Sul, Alemanha, Bélgica, Brasil, China, Espanha, Estados Unidos da América, França, Itália, Japão, Holanda, Polónia, Portugal, Reino Unido e Turquia.
No total, foram entrevistadas 10.000 pessoas online (método de recolha CAWI), com idade entre 18 e 65 anos, representativas de cada país. A representatividade da amostra é assegurada pelo método quotas (sexo, idade). Foram entrevistadas 500 pessoas em cada país, exceto em França onde se realizaram 3 mil entrevistas.


Sobre o Cetelem

Cetelem é uma marca do BNP Paribas Personal Finance - entidade especialista em Crédito ao Consumo do Grupo BNP Paribas. Líder europeu no sector, está presente em mais de 30 países de 4 continentes, empregando mais de 20 mil pessoas. Em Portugal desde 1993, emprega 700 pessoas, serve mais de 1,35 milhões de clientes e está presente em mais de 3600 estabelecimentos de parceiros de negócio. Cartões de crédito, crédito pessoal, soluções automóvel e seguros são os principais produtos comercializados e estão disponíveis aos consumidores no site, na app, por telefone e nos estabelecimentos comerciais dos principais parceiros em Portugal, além de serem disponibilizados nas nossas lojas no Porto e em Lisboa. Para apoiar os seus clientes e parceiros, o BNP Paribas Personal Finance está empenhado em promover o acesso a um consumo mais responsável e sustentável.

Para mais informações:
ATREVIA – Agência de Comunicação 
Pedro del Rio – pdelrio@atrevia.com 
Sara Vinagre - svinagre@atrevia.com